Vida Sexual pós-filhos

Queridos, segue uma coluna minha publicada na revista Crescer de Dezembro de 2012, sobre a vida Sexual pós-filhos.

Fonte: Dra. Carolina Ambrogini

Queridos, segue uma coluna minha publicada na revista Crescer de Dezembro de 2012, sobre a vida Sexual pós-filhos.

Sexo após a chegada dos filhos é um assunto complicado, eu sei. Isso porque trocar fraldas, dar papinhas, amamentar e brincar são atividades corriqueiras do mundo-mãe, esfera diametralmente oposta ao mundo-sexy.

Sem falar nas mil e uma coisas que você TEM QUE providenciar, levar, buscar, administrar, aguentar, comprar, ligar, zelar... E ainda TER QUE transar no fim do dia? Preguiça mortal. Daí, você veste aquela lingerie bege e enorme dos tempos de grávida só para não atiçar o marido e dormir rapidinho.

Enquanto a mulher amamenta, pode jogar a culpa nos hormônios. A prolactina, responsável pela produção do leite, inibe a atividade do ovário, o que diminui a testosterona e leva a uma queda da libido, e o estrogênio, que pode gerar uma dificuldade maior de lubrificação e causar dor na relação sexual. Isso sem falar nas mamas pingando leite no marido... Nessa fase, não tem jeito: é preciso ter muita compreensão, companheirismo e paciência.

Mas e depois do desmame? Como fazer para sua vida sexual voltar a ser animada?

Pensar na sua barriga ainda saliente não vai ajudar em nada. Sentir-se sensual (mesmo que só um pouquinho) é premissa para sentir desejo. Sexo envolve corpo, toque e movimento. Difícil conseguir se soltar e curtir se achando a mais horrível das criaturas. Por isso, valorize seus pontos fortes, use roupas que favoreçam, se arrume para você em vez de se autodepreciar. Tenho certeza que seu parceiro só olha para seu lado sensual. Nós, mulheres, é que somos críticas demais.

A falta de tempo a dois é outra questão importante. Os filhos passam a ser prioridade e o espaço do casal fica reduzido. Como vai rolar um clima se as crianças dormem tarde ou invadem a cama? As regras são importantes até para que vocês dois tenham a oportunidade de se enxergarem como homem e mulher e não como pai e mãe. Há de se ter tempo para a sedução, nem que sejam cinco minutos para um beijo mais ousado.

Sair pra jantar ajuda, desde que o assunto da conversa não seja o desfralde, a escola, o tema da festa de aniversário etc. Mas o casal pode criar um ambiente em casa mesmo, com um jantarzinho a dois, um filme apimentado. E que tal assinar um canal erótico? Eles têm se preocupado em apresentar filmes voltados para o público feminino. Vale a pena se despir do preconceito e experimentar! Se você preferir literatura, Cristian Grey, personagem do livro cinquenta tons de cinza, está aí para ajudar a usar a imaginação.

Seja qual for a forma, o importante é não deixar a relação perder o erotismo.